Se toca: liberte-se e descubra o prazer da masturbação

Se toca: liberte-se e descubra o prazer da masturbação

A mulher precisa se educar, conhecer o seu corpo e descobrir o que lhe satisfaz, quais são os seus desejos - únicos da sexualidade de cada uma.

Se ler ou ouvir “masturbação” gera um desconforto indefinido em você, não se sinta culpada. A palavra, quando relacionada às mulheres, ainda é um assunto vedado, mesmo em pleno século XXI, e romper o silêncio sobre tocar-se intimamente pode soar como uma violação moral, ao invés de ser um direito existencial, com inúmeros benefícios.

Isso porque a mulher ainda é criada socialmente para ser um corpo para o outro ou, ainda, uma sexualidade para o outro, como bem definiu a jovem filósofa Carol Teixeira ao O Globo. E dentro dessa compreensão desigual, não sobra espaço para que ela se relacione com o  seu próprio corpo sem a distorção de que está fazendo algo proibido, seja por crença ou pudor. Completamente ao contrário do que ocorre com a maioria dos homens, não é mesmo?

"As mulheres masturbam-se muito menos do que os homens que são, desde cedo, estimulados a desenvolver todos os aspetos da sua sexualidade. A razão pela qual não o fazem é, sobretudo, cultural, conforme declara a ginecologista, obstetra e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Maria do Céu Santo, à revista Magg.

Sendo assim, está mais do que na hora de compreender a masturbação feminina como um ato de autoconhecimento. A mulher precisa se educar, conhecer o seu corpo e, por consequência, descobrir o que lhe satisfaz, quais são os seus desejos - únicos e característicos da sexualidade de cada uma. 

Abaixo, você confere alguns benefícios da masturbação, além dos tipos de orgasmos que existem - isso mesmo - não existe apenas um.

Benefícios da masturbação

Para o antropólogo espanhol e especialista em medicina sexual, Mariano Rosselló Gaya, tratando-se de masturbação feminina, há dois grandes benefícios que devem ser destacados: redução de dores menstruais e fortalecimento do sistema imunológico. 

Isto é, masturbar-se durante a menstruação possui o efeito de prevenir e/ou diminuir os incômodos que, para algumas mulheres, costumam ocorrer frequentemente nesse período. "Todas as substâncias químicas que se produzem na corrente circulatória ao ter um orgasmo atuam de maneira analgésica contra as dores pré-menstruais", afirma Gaya  à BBC. 

Ademais, essas mesmas substâncias são capazes de desinflamar a zona genital e, por consequência, diminuir a pressão que as dores provocam. No que diz respeito ao sistema imunológico, alguns estudos indicam que masturbar-se previne endometriose e infecções, uma vez que “a atividade contribui para que se abra o colo do útero e libere mucosidade e fluidos cervicais”, completa Gaya.

Já para a dermato-funcional especialista em pele preta, Raíssa Santana, os benefícios não param por aí. Ao ter um orgasmo logo de manhã, por exemplo, seja através de sexo ou masturbação, a pele é oxigenada e promove a eliminação de toxinas, baixando o nível de cortisol

Mas, o que é cortisol? Para as desavisadas, o cortisol é um dos principais hormônios ligados ao estresse. “Capaz de afetar o sistema imunológico e provocar ou agravar uma série de enfermidades como dermatite atópica, urticária e vitiligo”, de acordo com o portal do médico Drauzio Varella

Tipos de orgamos

Aproveitando o gancho do orgasmo matinal, vamos explorar os tipos de orgasmos. No entanto, é importante esclarecer que você não precisa se masturbar apenas com o objetivo de atingir o clímax. Como mencionamos acima, a masturbação é um ato de autoconhecimento. Ou seja, um momento para você relaxar e conhecer o seu corpo de uma maneira mais profunda, seja de forma natural ou com a utilização de brinquedos eróticos. 

De qualquer forma, não dá para deixar de mencionar que existem inúmeros tipos de orgasmos que você, como mulher, pode alcançar. À vista disso, nós selecionamos quatro. Confira abaixo: 

  • Orgasmo vaginal: estimulado por meio da penetração;
  • Orgasmo clitoriano: o ponto de estimulação principal, devido às 8.000 terminações nervosas que se concentram no clitóris;
  • Orgasmo misto: uma combinação de orgasmo vaginal e clitoriano;
  • Orgasmos múltiplos: como o nome sugere, orgasmos que acontecem um atrás do outro.

#Dica do dia 

Na esperança de deixá-la ainda mais animada com toda essa liberdade, vamos finalizar o texto com uma indicação: o documentário “Clitóris, Prazer Proibído”.  À primeira vista, a produção pode parecer ultrapassada, mas segue dialogando com os tempos atuais através de questões relevantes como a convicção religiosa e patriarcal de que sexo está vínculado apenas à reprodução.

Assinado por Michèle Dominici e produzido por Tamsin Moufflet, o documentário (parte francês, parte americano) conta com depoimentos de diversas mulheres inspiradoras, incluindo a escritora e vencedora do Prêmio Pulitzer, Natalie Angier, bem como a médica, pesquisadora e especialista em Clítóris, Helen O´Connell.
Enfim, não deixe para amanhã o que você pode tocar hoje, estamos combinadas?