Dia Nacional da Mamografia: precisamos falar sobre a mama

É comum logo pensarmos em Outubro Rosa ao falar sobre câncer de mama e a importância de seu diagnóstico precoce. Agora, mais uma prova de que o assunto não pode ser restrito a um só mês é o Dia Nacional da Mamografia, comemorado no dia 5 de fevereiro. 

A data, registrada pela Lei nº 11.695/2.008, foi criada para chamar a atenção no cenário brasileiro para a importância do exame no diagnóstico precoce do câncer de mama.

Sendo o câncer mais comum em mulheres no Brasil, de acordo com informações do Instituto Nacional do Câncer (INCA), apenas em 2020 cerca de 66 mil novos casos de câncer de mama foram diagnosticados entre as brasileiras - sendo a mamografia a principal ferramenta de identificação clínica da doença. 

Não restam dúvidas da importância de sabermos tudo sobre a nossa mama e como podemos prevenir possíveis doenças, não é mesmo? 

Preparamos, então, um compilado com informações fundamentais de prevenção para marcar o Dia Nacional da Mamografia. Confira!

A importância da mamografia

A mamografia - exame que também pode ser chamado de mamograma - é um raio X da região das mamas. 

Através das imagens é possível verificar qualquer sinal de doença na mama, mesmo que não haja nenhum sintoma ou alterações nos seios - antes mesmo que um nódulo possa ser sentido ao apalpar, permitindo um tratamento precoce e altas chances de cura total. 

O câncer de mama é causado pela multiplicação de células anormais no seio, capaz de atingir posteriormente outros órgãos, caso não tratado.

A doença é considerada um tumor curável, apresentando taxa de cura de até 98% dos casos detectados em fase inicial. 

O fato da mamografia identificar nódulos benignos ou malignos mesmo sem que os mesmos sejam identificados no autoexame, já demonstra a importância do raio x da mama ser realizado de forma preventiva, incluído na rotina periódica de exames. 

Demonstrando através de dados o quanto a mamografia é fundamental no combate contra o câncer de mama, de acordo com números da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), nas populações com acesso à mamografia preventiva de forma periódica, o número de mortes pela doença diminui em até 45%.

Quando fazer a mamografia

As recomendações da Sociedade Brasileira de Mastologia indicam que a mamografia seja feita de forma periódica, uma vez ao ano, por todas as mulheres a partir dos 40 anos. 

Já para mulheres com idades entre 50 e 69 anos, o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam a mamografia a cada dois anos.

Como em alguns casos o câncer de mama tem relação genética -  correspondendo a cerca de 5% a 10% dos casos -, caso a paciente tenha histórico familiar de câncer de mama, a mamografia deve ser iniciada 10 anos antes da idade em que o familiar teve o diagnóstico da doença.

Para as mulheres que estão nas faixas etárias recomendadas para a mamografia periódica e que costumam ter sensibilidade nas mamas durante a menstruação, é recomendado evitar realizar o exame nesse período, já que é necessário apertar os seios para tirar as imagens mamárias. 

No caso dos homens, não existe recomendação de que a mamografia seja realizada de forma periódica pelo câncer de mama ser considerado uma doença rara para eles. 

O exame entre os homens é indicado no caso de pacientes que identificam algum nódulo nos seios ou que sentem qualquer dor nas mamas. 

Mamografia: cenário brasileiro

Apesar das recomendações de órgãos responsáveis e de toda a importância da mamografia, o cenário brasileiro não é nada favorável ao diagnóstico precoce. 

De acordo com dados da Pesquisa Avon/IPSOS “Percepções sobre o Câncer de Mama”, apenas 20% das brasileiras fazem mamografia pelo menos a cada dois anos.

A frequência, que já era baixa em 2010 quando o levantamento foi feito, chegou a um patamar ainda pior. 

Desde o início da pandemia, especialistas apontam que caiu o número de mamografias realizadas no país, dificultando o diagnóstico precoce. Segundo estimativas da SBM, caiu em 42% o número de exames realizados em 2020 comparado ao ano anterior. 

Os números mostram que apesar da força de campanhas como o Dia Nacional da Mamografia e o Outubro Rosa, segue sendo urgente a importância de falarmos sobre os cuidados necessários com a nossa mama. 

Outras formas de identificar alterações na mama

A mamografia é fundamental para o diagnóstico conclusivo do câncer de mama. No entanto, é importante sempre lembrar que cada uma de nós podemos colaborar diariamente para identificar qualquer alteração na mama. 

Através do autoexame é possível identificar nódulos, assimetrias entre os seios, mudanças de cor ou qualquer diferença no aspecto anterior das mamas. 

Caso sinta qualquer alteração ou desconforto nas mamas, procure seu ginecologista para um exame detalhado, principalmente depois dos 40.

O exame do toque nas mamas também deve ser realizado pelo médico ginecologistas nas consultas periódicas, mesmo em mulheres que ainda não estão nas faixas etárias em que a mamografia é recomendada. 

Agora você já sabe a importância do Dia Nacional da Mamografia e a diferença que o exame pode fazer na vida de tantas mulheres, não é mesmo? 

Que tal compartilhar o conteúdo com as mulheres da sua vida, como forma de carinho e cuidado com a saúde de cada uma delas? 
Além deste texto no blog da Fleurity tem diversos conteúdos que podem te ajudar sobre saúde menstrual, dicas para te ajudar com a TPM, entre muitos outros. Confira e aproveite!

Carrinho de compras

Não há mais produtos disponíveis para compra

Seu carrinho está vazio.

✔️ Produto adicionado com sucesso.