Mioma uterino: quais os riscos para a saúde da mulher?

Um companheiro silencioso. Essa costuma ser uma boa definição para o mioma uterino, que na grande maioria dos casos aparece e some da vida da mulher sem apresentar qualquer sintoma ou riscos. 

Geralmente, o mioma é identificado em exames ginecológicos de rotina, sem que haja necessidade de tratamento. Em outros casos, ele é acompanhado de sintomas que podem causar desconfortos e fazer com que sejam necessárias algumas intervenções médicas. 

Apesar de comum - estima-se que cerca de 30% das mulheres entre 30 e 50 anos terão o diagnóstico pelo menos uma vez -, o mioma ainda pode gerar diversas dúvidas. 

Quer entender melhor sobre o que é exatamente um mioma uterino e quais os riscos para a saúde feminina? 

Reunimos aqui tudo o que você precisa saber a respeito. Confira agora!

O que é um mioma?

Tecnicamente chamados de fibroma ou leiomioma uterino, o mioma uterino é um tumor benigno que cresce dentro ou fora do útero e que pode alterar seu formato natural do órgão feminino. 

Apesar de serem geralmente assintomáticos, na fase fértil feminina se tornam mais comuns os miomas acompanhados de sintomas. 

Os miomas não têm uma causa bem estabelecida, mas já existem evidências científicas que apontam um caráter genético para o mioma uterino - o que significa que mulheres com casos na família têm maior predisposição de ter miomas no útero ao longo da vida. 

Lembrando ainda que é bastante comum a ocorrência de vários miomas, em diferentes fases da vida fértil feminina.

A partir do diagnóstico a ser realizado pelo médico ginecologista, o mioma pode ser classificado em diferentes tipos, levando em consideração principalmente o local em que se desenvolve no útero, sendo os principais:

  • Subseroso: mioma que se desenvolve na parte externa do útero;
  • Intramural: o mioma é classificado como intramural quando se desenvolve dentro das paredes do útero. É o mais comum deles;
  • Submucoso: é dado o nome técnico aos miomas que surgem na parte interna do útero e é o mais raro dos três tipos.

Os miomas podem ocupar as diferentes posições em relação ao útero sendo que, quanto mais perto da parte central do órgão se desenvolverem, maior a probabilidade de provocarem sangramento e de dificultarem uma gravidez - podendo, em alguns casos, levar a quadros de abortamento.

Sintomas de um mioma uterino

A primeira coisa a saber em relação aos possíveis sintomas dos miomas uterinos é que grande parte das mulheres que recebem o diagnóstico não sentem absolutamente nada. 

Apesar de menos frequentes do que os miomas assintomáticos, quando os sintomas são sentidos pelas mulheres, eles costumam variar de acordo com a posição dele em relação ao útero. 

Os sintomas mais comuns no diagnóstico de mioma no útero são: 

  • Cólicas menstruais, 
  • Dores na região lombar, 
  • Pressão na região vaginal, 
  • Dores durante a relação sexual, 
  • Aumento na frequência urinária, 
  • Tontura e/ou fraqueza.

Pelo fato dos miomas serem, geralmente, assintomáticos, em grande parte dos casos eles são descobertos por meio de exames ginecológicos de rotina - como o papanicolau, exames de sangue e/ou a ultrassonografia, por exemplo. 

A partir da identificação do mioma, o médico ginecologista pode ainda solicitar outros exames mais aprofundados para um diagnóstico mais preciso em relação à posição, quantidade e tamanho do (s) mioma (s). O médico poderá solicitar exames como ressonância magnética, histeroscopia e biópsia como complemento para sua avaliação médica.

Isso porque, apesar de ser uma condição relativamente simples, que não costuma apresentar sintomas ou oferecer riscos à saúde feminina, é muito importante ser avaliada por um médico especialista, pelo risco do mioma uterino ser confundido com outros problemas mais delicados pelos seus sintomas. 

Como tratar um mioma?

Nos casos de mioma no útero de forma assintomática, de maneira geral, a condição não requer um tratamento específico, apenas um acompanhamento médico para verificar suas evoluções clínicas. 

Quando o mioma gera sintomas e desconfortos na mulher, o tratamento mais comum inclui contraceptivos hormonais para melhorar sintomas como sangramento e cólicas. Podendo ser recomendado que:

  • Uso de anti-inflamatórios para reduzir o desconforto das cólicas causadas pelo mioma uterino;
  • Utilização de anticoncepcionais como estratégia para controlar o fluxo menstrual e diminuir o tamanho do mioma através de hormônio da pílula;
  • Suplementação de ferro para prevenir anemia nos casos de sangramento e/ou fluxo menstrual intensificado pelo;
  • Em alguns casos pode ser recomendada cirurgia para retirada do mioma - conhecida como miomectomia. Geralmente a estratégia é utilizada pelos médicos em casos em que o mioma começa a pressionar outros órgãos.

Seja qual for o tratamento a ser realizado, o mais importante é sempre contar com um médico especialista de confiança, que vai poder indicar o melhor caminho a partir do correto diagnóstico. 

Qual a relação entre o mioma uterino e a gravidez?

Antes de mais nada é fundamental entender que o diagnóstico de mioma uterino não significa que esta mulher terá qualquer dificuldade para engravidar.

O que vai determinar se o mioma trará como consequência uma possível necessidade de tratamento de fertilidade para a paciente é o local onde o mioma uterino se encontra e seu tamanho. Em alguns casos, mesmo em locais possíveis de complicações antes ou depois da concepção, os miomas são tão pequenos que também não geram qualquer risco à mulher ou bebê. 

Já em relação à sua localização, os miomas que estão próximos à implantação das tubas podem provocar obstrução tubária e dificultar a gravidez natural.

De toda forma, a maior recomendação dos especialistas é que, em todos os casos em que a mulher já foi diagnosticada com o mioma uterino antes de engravidar, seja feito um acompanhamento constante durante a gestação para verificar um possível crescimento dele. 

Isso porque, dependendo do tamanho e da localização dos miomas, eles podem se tornar fatores de risco para abortamento ou parto prematuro.

Agora, se sua maior preocupação é o mioma se tornar um câncer - como o de colo de útero, por exemplo -, fique tranquila! Não existem riscos dessa transformação acontecer. O mais importante é o correto diagnóstico, para ter a certeza de que se trata de um mioma uterino e diferenciá-lo de um tumor maligno. Uma ultrassonografia recomendada pelo médico ginecologista é eficiente para esta conclusão. 

Ficou mais claro agora, não é mesmo? 

No final, a mensagem que fica é sobre a importância de sempre cumprirmos nossa rotina ginecológica, mantendo os exames preventivos sempre em dia. Esse acompanhamento vai permitir um diagnóstico preciso e precoce, seja qual for ele.  

Caso esteja procurando informações relacionadas a outros sintomas ou problemas comuns que podem comprometer a saúde feminina, o blog da Fleurity reúne diversos outros conteúdos completos, que podem te ajudar. Entre eles é possível entender mais a fundo sobre infecção urinária, vaginite e candidíase, por exemplo. Acesse e confira!

Carrinho de compras

Não há mais produtos disponíveis para compra

Seu carrinho está vazio.

✔️ Produto adicionado com sucesso.