Se você quer um relacionamento saudável, você precisa ser emocionalmente responsável

Conceitos como o amor romântico, as relações monogâmicas e a responsabilidade afetiva cresceram nos últimos anos, derivados das revoluções sociais e ideológicas principalmente por parte das mulheres. 

De modo geral, as teorias feministas nos levaram a desconstruir algumas das crenças mais profundas que nos foram incutidas em relação aos relacionamentos.

Quando se fala em relacionamentos, a responsabilidade afetiva é algo necessário para seu bom desenvolvimento, pois a base dessas interações são as emoções e os sentimentos.

Para que se possa dizer que somos pessoas emocionalmente responsáveis, devemos ter duas habilidades principais: a comunicação e a consideração das emoções do outro.

Por isso, no artigo de hoje, vamos explicar mais sobre o assunto para que você desenvolva um relacionamento saudável com as pessoas ao seu redor. Continue a leitura!

O que é responsabilidade afetiva?

A responsabilidade afetiva é a plena consciência do impacto que nossas palavras e ações têm sobre os outros. Basicamente, implica estar ciente de que nossos comportamentos têm consequências sobre as emoções dos outros, sejam elas positivas ou negativas.

De modo geral, esse conceito nos leva a conceber as relações que estabelecemos como espaços onde cada pessoa é afetada pelas ações e decisões do outro. 

Isso nos leva a um padrão relacional mais respeitoso e empático com o que os outros podem sentir, em vez de ignorar como influenciamos os que nos rodeiam.

O conceito de responsabilidade afetiva não implica adaptar-se aos outros ou colocar suas necessidades acima das nossas constantemente, mas apenas procurar construir relações mais justas, respeitosas e transparentes, baseadas na consciência de que todos temos a capacidade de gerar emoções nos outros, da mesma maneira que os outros podem gerar emoções em nós.

O que é ghosting?

Ghosting é um termo que vem do inglês e, em tradução literal, quer dizer ir embora ou desaparecer sem dar explicações. 

Por exemplo, imagine que você está enviando mensagens de texto para alguém em uma rede social, começando a conhecê-lo e de repente, um dia, sem maiores explicações, ele para de responder suas mensagens, não atende suas ligações e, basicamente, desaparece como um fantasma

As razões pelas quais as pessoas fantasmas desaparecem podem ser muitas, mas as principais podem ser a falta de empatia, a falta de habilidades sociais ou a ansiedade que pode gerar em ser honesto com alguém. 

Qual a diferença entre responsabilidade afetiva e projeção psicológica?

A responsabilidade afetiva é a antítese da projeção psicológica. Quando projetamos pensamos em termos de: "Você é responsável por como eu me sinto" ou "Eu sou responsável por como você se sente". Consequentemente, isso gera sentimentos de culpa, apego não saudável, dependência emocional e comportamentos controladores.

A projeção psicológica é uma faca de dois gumes. Podemos usá-lo para nos culpar pelas emoções dos outros ou culpar os outros por como nos sentimos.

Quando pensamos em termos de projeção psicológica, tendemos a assumir a responsabilidade por como os outros se sentem, a ponto de acharmos que nossa missão é fazê-los felizes e aliviar suas dores. 

Por outro lado, quando pensamos em termos de responsabilidade emocional, nos preocupamos com a felicidade do outro e tentamos aliviar ao máximo seu sofrimento, mas temos consciência de que esse peso não recai totalmente sobre nossos ombros.

Também podemos cometer o erro de projetar nossos sentimentos nos outros, responsabilizando-os por nossas emoções. Então acabamos colocando nos ombros deles a responsabilidade de nos fazer felizes e os culpamos por nossos infortúnios. 

No entanto, se somos emocionalmente responsáveis, entendemos a influência que os outros exercem sobre nós, mas percebemos que temos o poder de mudar esses sentimentos

Como proceder quando percebo que não sou responsável afetivamente?

As emoções negativas são inevitáveis, mas podemos saber quando as experimentamos e observar como elas afetam as pessoas com quem interagimos. Isso porque não estar ciente do dano que causamos não o apaga. Também podemos entender como os outros afetam nossos estados emocionais.

Isso implica aceitar viver certas situações que podem gerar emoções desagradáveis, de modo que, em vez de nos dedicarmos a culpar ou reclamar, precisamos nos projetar no futuro e nos perguntar o que podemos fazer para mudar a situação. 

Como podemos responder de forma mais assertiva? O que podemos fazer para mitigar os danos? Trata-se de desenvolver uma abordagem proativa.

Como praticar a responsabilidade afetiva?

Agora que você já sabe o que é responsabilidade afetiva, pode estar se perguntando como desenvolvê-la. Continue a leitura porque vamos te dar algumas dicas abaixo:

Pratique a comunicação assertiva

Isso consiste em saber expressar de forma clara e honesta o que queremos, o que não gostamos, o que sentimos. 

Estabeleça acordos

Não importa se é um relacionamento, amizade ou família, chegar a acordos sempre será a melhor maneira de resolver os problemas, pois estabelecerão limites do que é permitido e do que não é.

Entenda se os sentimentos são mútuos 

Não se deve esquecer que, para que uma interação ocorra, é necessário o comprometimento das duas partes que a compõem. A responsabilidade afetiva está ligada à empatia e à capacidade de se colocar no lugar do outro — e isso deve ocorrer dos dois lados.

Fique tranquilo! Relacionamentos têm suas complicações

Desentendimentos ou mal-entendidos entre duas ou mais pessoas são inevitáveis e isso não deve ser esquecido. É inútil evitar o conflito, porque às vezes ele deve acontecer. Então, fique tranquilo em relação a isso!

Por fim, antes de você ir, te convidamos a acessar o blog da Fleurity e ler vários conteúdos escritos com muito carinho para pessoas que menstruam ficarem informadas. 

Até o próximo artigo! ❤️

Carrinho de compras

Não há mais produtos disponíveis para compra

Seu carrinho está vazio.

✔️ Produto adicionado com sucesso.