Conheça as 5 principais doenças ginecológicas

Conheça as 5 principais doenças ginecológicas

Coceira na região íntima, corrimento vaginal, cólicas fortes, você sabia que esses sintomas podem estar relacionados à doenças ginecológicas? Diariamente, milhares de mulheres procuram um ginecologista para relatar algumas dessas queixas, sem saber que podem estar com algum distúrbio.

Para ajudar você a conhecer melhor sua saúde íntima e identificar sintomas, listamos as principais doenças ginecológicas, suas causas e tratamentos. Confira a seguir.

Corrimentos vaginais

Os corrimentos, na verdade, são mais um sintoma do que uma doença propriamente dita. No entanto, eles incomodam muitas mulheres e são uma das principais reclamações em consultas ginecológicas.

Antes de mais nada, é importante entender que nem todo corrimento está relacionado a doenças ou problemas. Naturalmente, as mulheres produzem uma secreção vaginal que pode variar de intensidade por influências hormonais, orgânicas ou psicológicas.

Você deve se preocupar, no entanto, se o corrimento apresentar cor escura (marrom, cinza ou amarelada) e se vier acompanhado de coceira, mau-cheiro, ardor ou dor ao urinar. Nesses casos, o corrimento pode ser um sintoma de alguma doença, como vaginose bacteriana, candidíase vulvovaginal ou tricomoníase.

Cistite

A cistite ou infecção urinária também é uma doença bastante comum que acomete as mulheres. Ela ataca a bexiga e é causada, geralmente, pela bactéria E. Choli que vive nos intestinos. Apesar de a doença também ocorrer em homens, ela costuma ser mais agressiva nas mulheres por conta da uretra mais curta e mais próxima do ânus.

A cistite pode ocorrer por diversos fatores como segurar a urina por muito tempo, realizar uma higiene incorreta após utilizar o banheiro ou após relações sexuais e usar roupas muito apertadas.

Candidíase

A candidíase é uma infecção vaginal causada pelo fungo Cândida ou Monília. Esse fungo faz parte da flora vaginal em pequenas quantidades, no entanto, ele pode se fortalecer quando a mulher passa por períodos de baixa imunidade, utiliza antibióticos, anticoncepcionais, corticóides ou nos casos de diabetes e HPV.

Ao se manifestar, o fungo provoca coceira intensa, corrimento esbranquiçado ou amarelado espesso, ardor ao urinar e nas relações sexuais.

Para evitar a candidíase, é fundamental que a mulher mantenha a alimentação saudável e a glicose controlada, use preservativo nas relações sexuais e evite utilizar roupas apertadas e absorventes internos constantemente.

Endometriose

A endometriose causa muito desconforto na mulher, provocando cólicas menstruais fortes, diarreia, dor pélvica crônica, dor nas relações sexuais, podendo levar a infertilidade.

O distúrbio acontece quando o endométrio, tecido que reveste o útero, descama, mas não é expelido, migrando para os ovários ou para a cavidade abdominal, onde voltam a se multiplicar e criam uma lesão.

As causas da doença ainda não estão bem estabelecidas e ela tende a regredir espontaneamente com a menopausa.

Muitas mulheres desconhecem o distúrbio e acabam descobrindo que têm o problema apenas quando estão tentando engravidar. O tratamento é feito com o uso de anticoncepcionais e cirurgias para a retirada das lesões.

Síndrome dos ovários policísticos

A SOP é um distúrbio que se inicia na puberdade, quando os ovários ainda apresentam grandes quantidades de folículos iniciais. O problema é bastante comum e atinge cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva, sendo uma das principais causas de infertilidade.

Os principais sintomas da doença são dificuldade para engravidar, pelos nos seios, buço e queixo, diabetes, oleosidade e acne na pele, queda de cabelos, obesidade, e manchas escuras no pescoço e nas axilas.

A doença não tem cura e pode ser controlada com o uso de anticoncepcionais hormonais, que auxiliam na diminuição do hormônio masculino e controlam o ciclo menstrual.

Como vimos, as doenças ginecológicas são bastante comuns e podem causar desconforto e dificuldades para engravidar. Para preveni-las, é importante que a mulher tenha hábitos saudáveis e consulte um ginecologista com regularidade.

Agora que você já sabe quais as principais doenças que afetam a saúde íntima da mulher, descubra também qual o tipo de calcinha mais indicada para evitar doenças.