Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Física: desafios, inclusão, sexo e menstruação

Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Física: desafios, inclusão, sexo e menstruação

Hoje é o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Física e nós precisamos falar sobre preconceito sexual. Isso porque indivíduos que possuem alguma condição de deficiência física são negligenciados e excluídos da sociedade quando o assunto é menstruação e sexo.

Mas, por que isso acontece? 

De modo geral, o corpo social coloca um estigma em tudo aquilo que não segue o padrão vigente. E, como grupos minoritários sociais, os deficientes físicos estão sujeitos a sofrer algum preconceito nesse sentido. No entanto, até quando isso vai ser normalizado

Precisamos falar sobre o assunto — e no artigo de hoje você encontra todas as informações sobre o tema. Continue a leitura!

Deficiência e sexualidade

A maioria das pessoas são seres sexuais e têm pensamentos, atitudes, sentimentos, desejos e fantasias sexuais. Nesse sentido, ter uma deficiência física ou intelectual não muda sua sexualidade e seu desejo de expressá-la - ou as emoções que podem acompanhá-la. 

Na verdade, a Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que a sexualidade é uma necessidade básica e um aspecto do ser humano que não pode ser separado de outros da vida. 

Por isso, se sua deficiência prejudicar sua capacidade física de ter uma vida sexual regular ou torná-la insegura, você pode ficar preocupado em fazer sexo. 

É fato: fazer sexo têm ansiedade em relação ao sexo e ao desempenho sexual, e esses sentimentos são completamente naturais. 

Pessoas com deficiência também são cidadãos sexuais

Uma pesquisa publicada pela Agência Brasil mostrou que pessoas com deficiência sofrem preconceito no trabalho, assédio moral e são frequentemente questionadas acerca da sua sexualidade

Os jovens com deficiência são seres sexuais e merecem direitos e oportunidades iguais para ter controle, escolhas e acesso à sua sexualidade, expressão sexual e relacionamentos ao longo da sua vida. Isso é fundamental para sua saúde e bem-estar físico, emocional e social. 

No entanto, existe um equívoco de que os corpos com deficiência são não-normativos. Como resultado, isso moldou um pouco a forma como a sexualidade das pessoas com deficiência foi considerada problemática sob o olhar do público.

As consequências do preconceito sexual com jovens com deficiência

A crença generalizada de que as pessoas com deficiência são assexuadas cria barreiras à cidadania sexual para os jovens com deficiência, fazendo com que tenham níveis mais baixos de conhecimento sexual e educação sexual inadequada em comparação com seus pares sem deficiência. 

Como consequência, eles são mais vulneráveis ​​ao "sexo ruim" e relacionamentos problemáticos e tóxicos, exploradores e enfraquecedores de diferentes maneiras.

De modo geral, o acesso à educação sobre sexo e relacionamentos para pessoas com deficiência é importante não apenas para eles aprenderem sobre direitos sexuais, identidade sexual e expressão sexual, mas também para que possam garantir segurança sexual. 

Como resultado, você contribui para o empoderamento e o reconhecimento social das pessoas com deficiência como seres sexuais — além de ser uma maneira de ajudá-los a denunciar qualquer outro problema. 

Sendo assim, é fundamental que pais, educadores e profissionais de saúde estejam cientes e devidamente equipados com conhecimentos e recursos para educar formalmente os jovens com deficiência sobre sexualidade e bem-estar com seus parceiros. 

A importância das emoções 

Assim como a sexualidade é parte integrante da vida humana, o amor também o é. Em nossa essência, a maioria dos humanos deseja ser amado e aceito. 

Por isso, quer você seja deficiente ou não, você saberá como o amor é importante para você. Se você é cuidador, amigo ou parceiro de uma pessoa com deficiência, esteja ciente de como é importante expressar seu amor ou consideração. 

Sendo assim, se você não está em um relacionamento, a coisa mais importante a lembrar é que você não é definido por sua deficiência ou deficiência. Você é uma pessoa que deseja e ama como qualquer outra pessoa e tem direito a isso.

De modo geral, se você está em um relacionamento e está lidando com questões relacionadas à sua deficiência e sexualidade, as dicas abaixo podem ajudar: 

Comunicar - discutir abertamente seus sentimentos e preocupações é a melhor maneira de resolverem os problemas juntos. Afirme suas necessidades com clareza, não apenas em relação à intimidade e sexo, mas também à vida cotidiana.

Ler - aprenda tudo que puder sobre sexo em relação à sua condição ou deficiência. Ter bastante conhecimento pode ajudá-lo a se sentir mais confortável conversando com seu médico também

Procure ajuda - se os problemas parecem maiores do que você e seu parceiro podem resolver, considere o aconselhamento. Às vezes ajuda ter uma perspectiva externa.

Reconheça seu novo normal - se você adquiriu sua deficiência, de um acidente ou doença crônica, por exemplo, tente aceitar que seu relacionamento pode ser mudado por sua deficiência, e veja se você consegue criar um novo normal e readaptar a sua vida.

Veja amigos - permanecer socialmente conectado pode ajudá-lo a se sentir mais positivo sobre a vida.

Procure lidar com o estresse - questões financeiras, novas divisões de trabalho e responsabilidades familiares podem causar muito estresse. Tente resolver esses problemas para que eles não afetem sua vida, incluindo seu desejo de intimidade.

Seja gentil - fazer algo de bom para seu parceiro todos os dias pode ajudar a construir intimidade e sentimentos de amor.

Além disso, é importante lembrar que pessoas com deficiência, além de serem seres normais e que fazem sexo, também são indivíduos que menstruam e tem necessidades básicas. 

Por isso, se você tem um filho ou parceiro com essa condição, não deixe de conversar sobre o assunto e apoiá-lo a falar abertamente sobre o seu período menstrual

Por fim, antes de você ir, te convidamos a acessar o blog da Fleurity e ler vários conteúdos escritos com muito carinho para pessoas que menstruam ficarem informadas. 

Até o próximo artigo!