Dismenorreia: até que ponto a cólica menstrual é normal?

Cerca de 50% das mulheres sofrem com cólicas menstruais intensas em algum momento da vida. Mas, ao contrário do que nos fazem acreditar, isso não é frescura e, em alguns casos, pode indicar problemas de saúde.

Então, se você algum dia já deixou de ir à escola, ao trabalho ou à academia por causa da cólica, continue a leitura! No blog de hoje, vamos entender o que é dismenorreia, até que ponto a cólica menstrual é considerada normal e quando é o momento de procurar ajuda médica. Confira!

Afinal, o que é a dismenorreia?

Apesar do nome complicado, a verdade é que a dismenorreia nada mais é do que ela: a tão famosa, temida e odiada cólica menstrual!

Embora já tenha se tornado comum falar da cólica como se fosse algo simples, muitas mulheres têm dores intensas que costumam surgir na véspera da menstruação e ficar até o final do período menstrual.

Infelizmente, a dismenorreia é uma parte natural do nosso ciclo. Isso porque ela acontece a partir da liberação de uma substância chamada prostaglandina, que é a responsável por eliminar a camada extra de endométrio formada para receber o óvulo fecundado.

Se não há fecundação, essa camada precisa ser eliminada na forma do sangue menstrual. E, para isso, a prostaglandina gera contrações no útero para eliminar o sangue — o que causa a dor da cólica.

Geralmente, a dor intensa costuma ser mais comum durante a adolescência (dismenorreia primária). Entretanto, algumas doenças também podem fazer com que ela seja um problema na fase adulta (dismenorreia secundária).

Dismenorreia primária

A dismenorreia primária é a cólica comum de qualquer ciclo menstrual. Como vimos, ela é causada pelo aumento da produção da prostaglandina para que o corpo possa expelir o revestimento do endométrio na forma de sangue menstrual.

Nesse caso, a dor costuma ser mais intensa nos primeiros dias da menstruação e ir diminuindo conforme o sangue desce. Além disso, ela é mais comum mais perto da menarca. Por volta dos 20 anos ou após a gravidez, esse sintoma costuma melhorar ou praticamente desaparecer.

Dismenorreia secundária

Já a dismenorreia secundária é uma condição causada por problemas nos órgãos reprodutivos da mulher. Nesse caso, a dor costuma ser muito intensa e acontecer mesmo fora do período menstrual.

Algumas das principais causas para esse tipo de cólica são:

Geralmente, essas condições são mais comuns em mulheres por volta dos 25 anos. Então, se você tem essa faixa etária e sente dores que simplesmente te impedem de levantar da cama, é hora de ficar atenta!

👉 Saiba mais: 5 possíveis causas para cólica muito forte

Até quando a cólica é considerada normal?

Nenhuma dor ou desconforto deve ser considerado normal. Entretanto, existem alguns sintomas relacionados à dismenorreia que são comuns e não necessariamente indicam um problema mais grave.

No geral, a dismenorreia já é um sintoma: dor pélvica muito forte. Esse sintoma também pode ser refletido para as costas e para os membros inferiores e vir acompanhado de inchaço e sensação de cansaço.

Além disso, alguns outros sintomas comuns são:

  • Tontura;
  • Dores de cabeça;
  • Diarreia;
  • Vomito;
  • Sensação de pressão no abdômen.

Nesses casos, vale a pena ficar atenta e procurar ajuda especializada se eles persistirem por vários dias ou forem fortes a ponto de impedir que você siga a sua rotina normal durante o período menstrual.

Existe tratamento para cólica menstrual intensa?

Não é por ser um sintoma comum que você precisa lidar com a dismenorreia sem fazer nada. Apesar de ser uma dor muito intensa, ela pode ser controlada com medicações simples, como:

  • Analgésicos: para controlar a dor (Paracetamol ou Dipirona);
  • Antiespasmódicos: para diminuir as contrações no útero (Buscopan ou Atroveran);
  • Anti-inflamatórios: para reduzir a produção de prostaglandina (Ibuprofeno ou Piroxicam);
  • Anticoncepcional: para regular o fluxo menstrual e controlar a cólica.
  •  

    Além disso, existe uma variedade de tratamentos naturais que podem ser feitos em casa para aliviar — e até mesmo prevenir — os sintomas e permitir que você tenha uma vida normal durante a menstruação:

    • Colocar uma bolsa térmica na parte inferior da barriga;
    • Tomar um banho morno;
    • Beber bastante água;
    • Fazer massagens na região abdominal;
    • Praticar exercícios físicos;
    • Evitar bebidas com cafeína, como café, chocolate e refrigerantes;
    • Aumentar o consumo de proteínas e vegetais;
    • Reduzir o consumo de sódio.

    Sabe aquele chá que a sua avó sempre falou que era bom para melhorar a cólica? Provavelmente, ele é mesmo! E, na pior das hipóteses, não custa nada tentar, certo?

    👉 Veja também: 5 dicas para aliviar as cólicas menstruais

    Quando procurar um médico?

    Infelizmente, a cólica menstrual faz parte da vida de todas as mulheres e homens que menstruam. Algumas vezes, precisamos aprender a lidar com ela; em outras, é importante procurar ajuda médica.

    Se algum dos sintomas que falamos hoje estiver atrapalhando a sua qualidade de vida e impedindo que você cumpra as suas tarefas quando está menstruada, é hora de procurar o seu ginecologista de confiança.

    Dessa forma, ele vai poder identificar se existe algum problema de saúde por trás dos sintomas da dismenorreia e, principalmente, indicar o que fazer para tratar a dor de uma vez por todas e evitar que a menstruação seja um peso na sua vida.

    Acredite: menstruar não precisa ser um fardo! Acesse o blog da Fleurity e descubra como transformar esse período em um momento de conexão, libertação e empoderamento. Até lá! ❤️

    Carrinho de compras

    Não há mais produtos disponíveis para compra

    Seu carrinho está vazio.

    ✔️ Produto adicionado com sucesso.